Descanse em paz, senhor José

Hoy ha muerto José Saramago. Me enteré en las noticias del mediodía. Tenía 87 años y deja a sus espaldas un legado literario de gran calidad y caracterizado por su visión profundamente negativa del ser humano y también por su peculiar forma de escribir.
Pero que si queréis saber más sobre él, por ahí sobran reportajes sobre su vida, su obra y su muerte, es lo que toca.

Yo no me he leído todos sus libros, pero sí un buen puñado de ellos. Me gustaron en su día pero también me dejaban un poco hecha polvo. Uno sabe que lo que lee es muy cruel pero es verdad. Así que hoy me uno al lamento por su muerte, porque se ha perdido un espíritu íntegro.

Me despido con un texto suyo en su idioma original, el portugués.

Gracias por todo, Don José, y buena suerte en su camino.

A passagem difícil foi trasporta sem que ele se tivesse apercibido da proeza que havia cometido, mãos felices faziam murmurar, falar, cantar, rugir o violoncelo, eis o que faltou a rostropovitch, esta sala de música, esta hora, esta mulher. Quando ele terminou, as mãos del ajá não estavam frias, as suas ardiam, por isso foi que as mãos se deram às maãos e não se estranharam. Passava muito da uma hora de madrugada quando o violoncelista perguntou, Quer que chame um táxi para a levar ao hotel, e a mulher respondeu, Não, ficarei contigo, e ofereceu-lhe a boca. Entraram no quarto, despiram-se e o que estava escrito que acontecería, aconteceu enfim, e outra vez, e outra ainda. Ele adormeceu, ela não. Então ela, a morte, levantou-se, abriu a bolsa que tinha deixado na sala e retirou a carta de cor violeta. Olhou em redor como se estivese à procura de um lugar onde a pudesse deixar, sobre o piano, metida entre as cordas do violoncelo, ou então no próprio quarto, debaixo da almohada em que a cabeça do homem descansava. Não o fez. Saiu para a cozinha, acendeu um fósforo, um fósforo humilde, ela que poderia desfazer o papel como o olhar, reduzi-lo a uma impalpable poeira, ela que poderia pegar-lhe fogo só com o contacto dos dedos, e era un simple fósforo, o fósforo comum, o fósforo de todos os dias, que fazia arder a carta da morte, essa que só a morte podia destruir. Não ficaram cinzas. A morte voltou para a cama, abraçou-se ao homem e, sem compreender o que lhe estava a suceder, ela que nunca dormia, sentiu que o sono lhe fazia descair suavemente as palpebras. No dia seguinte ninguém morreu.

11 comments

  1. Hola!!!!!

    Cuanta ignorancia que hay en mí, no lo conozco y si no fuera por tu entrada de hoy, no sabría quien es…….queda su vida en sus obras…..
    Un abrazo de oso.

  2. Me pase a leer el homenaje… estoy contigo en que hay q leer en el idioma que escribe el autor, (en la medida de lo posible) a Palaniuk en Ingles, Houellebecq en frances y Saramago en portugues… aprender polaco para leer a Mrozek seria pasarse.
    1beso.

Deja un comentario